como evitar o burnout

Como evitar o Burnout e manter a produtividade preservando a saúde!

Essa já famosa síndrome, que também é conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional, surge depois que a pessoa enfrenta situações muito desgastantes de trabalho. São questões geralmente relacionadas a excesso de responsabilidade ou muita competitividade, sempre com alta carga de pressão.

Determinadas profissões são mais propensas a causar o transtorno, como enfermeiros, médicos, policiais, jornalistas, publicitários, professores, por exemplo. Isso sem falar nos profissionais que encaram jornadas extenuantes de trabalho, de forma dupla ou até tripla.

Neste post falaremos sobre o assunto, como evitar o Burnout, identificar seus sintomas, fazer um diagnóstico, tratamentos e possíveis complicações. Fique com a gente e entenda como prevenir esse mal.

Quais são os sintomas da Síndrome de Burnout?

Os sintomas da Síndrome de Burnout surgem em diversas circunstâncias, mas, também ocorrem quando o profissional é sempre solicitado para desempenhar objetivos difíceis de alcançar, impostos por seus chefes.

Muitas vezes, o colaborador não se sente capacitado para a função ou já está sobrecarregado com outros afazeres, o que torna o cumprimento das demandas muito desgastante e incompatível com o tempo e um resultado satisfatório.

Portanto, esgotamento é a melhor palavra para definir o Burnout, que pode comprometer a saúde, a produtividade, prejudicando relacionamentos, a carreira das pessoas afetadas, a equipe de trabalho, setores da organização e culminar na empresa como um todo.

Em razão de sua recorrência, o distúrbio foi recentemente incluído na Classificação Internacional de Doenças da OMS (Organização Mundial da Saúde). Destacamos, a seguir, os principais sintomas associados à síndrome:

  • sentimento constante de negatividade: as pessoas que sofrem de Burnout estão sempre demonstrando pessimismo, esperando que nada dê certo;
  • fadiga mental e física: é visível o cansaço fora do comum e difícil de recuperar em pessoas portadoras do distúrbio;
  • ausência de motivação: a falta de vontade de participar de atividades sociais ou estar entre outras pessoas também acompanha os demais sintomas da síndrome;
  • falta de energia: devido ao cansaço mental e físico em excesso, as pessoas com Burnout nunca têm energia para praticar hábitos saudáveis e recreativos, como frequentar uma academia ou mesmo, dormir regularmente;
  • dificuldade para se concentrar: tarefas corriqueiras e até conversas simples podem se tornar difíceis de manter para quem está com burnout;
  • desinteresse pelas coisas que mais gosta de fazer também é uma característica do transtorno;
  • sentimento de incompetência: a pessoa está sempre com a impressão de que não está desempenhando suas tarefas o suficiente ou corretamente;
  • alterações bruscas de humor: se torna comum a pessoa ter rompantes de irritação e alterações repentinas de humor;
  • priorização das necessidades dos outros: quem sofre com esse distúrbio tende a colocar as necessidades alheias acima de suas próprias;
  • isolamento: com todos esses sintomas ou alguns deles, a pessoa pode se isolar até das companhias mais importantes e próximas, como família e amigos.

Como é feita a confirmação do diagnóstico?

Na maioria das vezes, quem sofre de Burnout não percebe o que realmente está acontecendo e, assim, não identifica os sintomas como sendo um transtorno, por isso, acaba não confirmando o resultado positivo. Sendo assim, é sempre bom atentar para os sinais apontados acima e pedir ajuda de alguém próximo.

No entanto, para ter certeza sobre o que está acontecendo, o ideal é consultar um profissional qualificado para dar o diagnóstico correto e o tratamento adequado. Com a ajuda e a expertise de um psicólogo é possível usar o questionário Maslach Burnout Inventory (MBI), cujo objetivo é identificar, quantificar e determinar o transtorno com mais segurança.

Afinal, qual é o tratamento?

Tratamentos de transtornos como a Síndrome de Burnout geralmente são feitos por psicólogos. Normalmente são recomendadas sessões de terapia que ajudam a estimular a percepção de controle toda vez que o paciente se depara com situações de estresse no trabalho.

Com isso, a pessoa consegue melhorar a autoestima e desenvolver mecanismos que ajudam no controle do estresse. Durante o tratamento. certamente será necessário reduzir o excesso de trabalho e estudos, se for o caso e reorganizar as prioridades, principalmente as questões com um nível mais alto de exigência.

Entretanto, na hipótese de persistirem os sintomas, é provável que o tratamento tenha que ser assumido por um psiquiatra. Isso acontece quando casos mais difíceis requerem o uso de medicamentos antidepressivos. E nessa seara, apenas o psiquiatra é habilitado para prescrever remédios.

Entenda quais são as complicações possíveis

Quando uma pessoa está sofrendo com Síndrome de Burnout e não inicia um tratamento, as consequências podem tornar os sintomas ainda mais graves. Um problema que já é incapacitante tende a interferir cada vez mais seriamente em diversas áreas da vida da pessoa.

Os problemas se agravam no trabalho, no convívio familiar e social, além de aumentarem as chances de desenvolver doenças como hipertensão, diabetes, e muitos outras, dependendo da predisposição da pessoa. Muitas vezes, é preciso recorrer a internação hospitalar para que os sintomas sejam minimizados, com acompanhamento médico constante.

Como evitar o Burnout?

Nem sempre os primeiros sintomas são percebidos como algum sinal de transtorno. Mas, agora, sabendo quais são eles, é bom ficar de olho na intensidade de qualquer um que apareça e começar a focar nas estratégias de redução do estresse e prevenção do agravamento.

Sendo assim, é importante tomar as seguintes medidas:

  • participar de atividades de lazer com familiares e amigos;
  • definir objetivos pequenos na vida pessoal e profissional;
  • evitar contato com pessoas tóxicas, que reclamam de tudo constantemente;
  • executar atividades diferentes das tarefas da rotina diária, como frequentar um restaurante, passear no parque, ir ao cinema;
  • ter alguém de confiança para conversar sobre suas questões mais críticas, seus sentimentos e dúvidas.

Além de tudo isso, a prática consistente de exercícios físicos aeróbicos ajuda muito a equilibrar os neurotransmissores do cérebro e produzem sensação de bem-estar. É interessante manter uma rotina, praticando esses exercícios regularmente, pelo menos, de duas a três vezes na semana ou 30 minutos por dia.

Contudo, é possível que algum desânimo venha perturbar a sua persistência. Então, seja mais forte que ele e insista um pouco ou invente algum truque para ajudar. Convide um amigo para pedalar ou caminhar, assim você já aproveita para curtir a companhia de alguém que gosta.

A vida moderna com todo o aparato tecnológico à nossa volta, em vez de desacelerar a rotina das pessoas, parece ter criado um monstro de ansiedade geral e, agora, temos que saber como evitar o Burnout.

No entanto, muita gente já percebeu que o caminho para a realização profissional e pessoal pode ser bem mais suave e desprendido. Por isso, é preciso repensar a forma de realizar os sonhos e valorizar as questões que realmente importam, como a saúde.

Se você conhece alguém que pode estar apresentando sintomas de Burnout, ajude de alguma forma. Compartilhe este post nas redes sociais e ajude a tornar esse assunto tão importante mais visível para todos. Quem sabe alguém se identifique e decida se tratar?

Quer receber mais conteúdos como esse?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos gratuitamente por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos gratuitamente por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.