projeto-arquitetonico-de-escola

Projeto arquitetônico de escola: 8 dicas para acertar!

Você sabia que um projeto arquitetônico de escola tem grande impacto na qualidade do ensino, sendo fundamental para o aprendizado e o desenvolvimento da autonomia dos alunos? Sim. Mas, para funcionar adequadamente, a arquitetura aplicada às escolas considera diversos fatores.

Esse aspecto é importante porque a criança reage de forma positiva ao que parece seguro e agradável para si. Neste artigo, você confere várias informações nesse sentido, como a importância dos projetos arquitetônicos educacionais e oito dicas para aplicar o conceito efetivamente.

Boa leitura!

Qual é a importância do projeto arquitetônico inteligente para a escola?

A relação entre a arquitetura e o bem-estar das crianças na escola é tão significativa que foi comprovada por um estudo britânico, o “Better Spaces for Learning” (em tradução livre: Espaços Melhores para Aprender), do Royal Institute of British Architects (RIBA)

Segundo a pesquisa, um projeto arquitetônico que considera certos fatores permite que as escolas se tornem mais acolhedoras para os alunos. Durante o estudo, 93% dos professores afirmaram que a arquitetura escolar é indispensável para criar um ambiente de aprendizado eficaz.

A pesquisa ainda comprovou que escolas projetadas adequadamente aumentam a produtividade de quem atua nesses locais em 15%, como de professores, pedagogos e profissionais administrativos.

Quais dicas para fazer um projeto arquitetônico de escola voltado ao aprendizado e bem-estar?

As dicas a seguir mostram tudo o que um projeto arquitetônico pode fazer pelo bem-estar e favorecimento do aprendizado dos alunos. Entenda!

1. Fazer um projeto voltado para a ergonomia

Um ambiente escolar precisa ter espaços seguros e acessíveis, além de serem compatíveis com os métodos pedagógicos. Nesse sentido, a ergonomia pode ser aplicada a partir das medidas a seguir!

Corredores amplos

Permitem a socialização dos alunos, já que se sentem mais livres para interagir, em vez de andarem praticamente enfileirados, evitando a aplicação de bullying — como quando um grupo de meninos maiores ficam enfileirados em ambos os lados dos corredores enquanto esperam os pequenos passarem e serem provocados.

Espaços abertos e coloridos

Quanto mais aberto forem os espaços, maiores são as chances de as crianças interagirem, brincarem, usarem a imaginação, além de explorarem todas as áreas. Vale ressaltar que esses espaços favorecem os alunos autistas, que se sentem mais confortáveis em espaços abertos e otimizados.

Ferramentas ao alcance dos alunos

Estimular a autonomia dos alunos maiores é a vantagem de deixar brinquedos, giz de cera, massinhas e outras ferramentas ao alcance das crianças. Por isso, as prateleiras feitas na altura das crianças estimulam a independência dos alunos.

Espaços acessíveis

Quanto menos escadas e degraus existirem e maiores forem os corredores e as aberturas das salas de aula, maior também será a acessibilidade de crianças que usam cadeiras de rodas, por exemplo. Além disso, entre escadas e rampas, deve-se sempre preferir a segunda opção, devido à facilidade de acesso.

2. Planejar o isolamento acústico adequado

Expor os alunos a ruídos por longos períodos nas salas de aula pode afetar a saúde auditiva deles e dos professores, além de causar doenças nas cordas vocais desses últimos — que precisam falar muito alto para serem ouvidos. O resultado é o baixo rendimento das atividades de ensino e do aprendizado.

3. Favorecer o conforto térmico

Quando bem climatizado, o ambiente fica confortável para todos (que sentem menos calor no verão e menos frio no inverno). Com isso, a produtividade é favorecida, e a fluidez das tarefas é aprimorada nos locais de estudo, evitando que os alunos sintam necessidade frequente de levantar das suas cadeiras pelo excesso de calor. Os professores também são beneficiados quando podem lecionar em um ambiente com conforto térmico.

4. Pensar no conforto visual dos alunos

A luminosidade é um fator primordial para o conforto visual dos alunos durante a aula. Isso porque uma luminosidade inadequada pode levar a danos à saúde ocular dos alunos e professores.

Se citarmos como exemplo a leitura, o ambiente deve proporcionar conforto lumínico para favorecer a leitura, ou seja, as salas não podem ser nem muito escuras, nem claras demais. Além disso, a luminosidade deve permitir que os alunos enxerguem a lousa sem áreas muito escuras nem tampouco com reflexos solares.

5. Privilegiar terrenos planos

Tornar o terreno o mais plano possível antes mesmo de começar a construção da escola é imprescindível para a acessibilidade e para as crianças pequenas durante as atividades físicas e as brincadeiras que envolvem corridas e atividades em grupo.

6. Construir escolas em terrenos grandes

A dimensão do terreno de uma escola é um dos itens fundamentais no momento de analisar as dimensões de onde o projeto será realizado. Isso porque um espaço reduzido deixa alunos, professores e demais funcionários estressados. Além disso, quanto menor o terreno, maior será a necessidade de construir andares na escola, o que significa mais escadas e, consequentemente, mais chances de acidentes.

7. Seguir as normas para prevenção de incêndio

As normas para prevenção e combate aos incêndios precisam ser seguidas à risca. Dessa forma, as escolas devem instalar extintores de incêndio, hidrantes, alarme, iluminação, além de sinalização de emergência. As escolas com mais de um andar devem seguir o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI) — que indica a quantidade de equipamentos de combate ao fogo, onde se encontram e as rotas de fuga.

8. Incentivar a mobilidade em espaços multiusos

Nas salas de aula, o projeto deve garantir a mobilidade dos alunos, sobretudo quando falamos em crianças menores. Esses locais devem ser transformados em espaços multiusos. Uma das grandes vantagens dessa transformação é a diferenciação com relação ao ambiente das moradias dos alunos, cada vez menores na mesma proporção que é crescente o número de crianças que passam mais tempo nas escolas.

Assim, uma boa concepção arquitetônica consegue transformar a escola em um espaço estimulador e mais diversificado, favorecendo a socialização entre as crianças, o conforto, o aprendizado e a imaginação infantil.

Qual é a importância de contratar especialistas em projetos educacionais?

Como garantir o melhor projeto de arquitetura de escola? Uma pesquisa da Universidade de Salford, em Manchester, realizada com estudantes do ensino fundamental, apontou que as condições estruturais adequadas no ambiente escolar conseguem melhorar em até 16% o rendimento dos alunos.

Para isso, é preciso encontrar arquitetos especialistas em projetos educacionais. Por tudo isso, ficou claro que o espaço influencia o universo educacional de várias maneiras, como no desenvolvimento da criança, no aprendizado e, inclusive, na saúde física e emocional dos alunos.

Neste artigo, você viu a grande importância de um projeto arquitetônico de escola. Em seguida, conferiu tudo o que esse tipo de projeto pode proporcionar aos alunos, sempre favorecendo o aprendizado e o bem-estar coletivo.

Gostou do conteúdo? Então assine nossa newsletter para receber em seu e-mail mais textos relevantes como este!

Quer receber mais conteúdos como esse?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos gratuitamente por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos gratuitamente por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.